Dev
Visões de Balanceamento, 16/04

Como escolhemos Campeões de rota para também atuarem na selva.

DevAutorJag
  • Copiado para a área de transferência

E aí, galera! Aqui é o Riot Jag. Sou gerente de design da Equipe de Summoner's Rift e estou escrevendo as Visões de Balanceamento desta semana como convidado.

A atualização 11.8, que foi lançada esta semana, incluiu mudanças para ajudar Darius, Diana, Mordekaiser, Zed e Morgana a se aventurarem na selva. Eles jogam principalmente nas rotas, mas houve alguns questionamentos sobre o motivo de escolher esses Campeões em vez de outros. Então, queremos dividir com vocês um pouco da nossa linha de pensamento.

Por que dar aos Campeões de rota a função de caçadores?

Neste exato momento, muitas pessoas se sentem intimidadas pela selva, em especial nos MMRs mais baixos. Portanto, estamos considerando fazer mudanças sistêmicas em relação a essa questão, mas, por enquanto, vimos a oportunidade de facilitar o acesso das pessoas à selva com os Campeões aos quais já estão acostumadas. Dessa forma, alguém que não tenha familiaridade com a selva pode se concentrar em aprender os aspectos específicos da função sem ter que se preocupar em conhecer as particularidades de um novo Campeão.

Além disso, como sempre procuramos aumentar a diversidade na experiência do jogo, o fato de ter novos caçadores ajuda muito nesse quesito. Dito isso, não estamos tentando mudar a função primária desses Campeões, mas apenas expandir as possibilidades já disponíveis.

Como escolhemos Campeões específicos

Os Campeões escolhidos são aqueles que acreditamos que podem ter um bom desempenho na função de caçadores, para além da sua principal, sem aumentar o poder que eles têm nas rotas. Além disso, tentamos não interferir nos Campeões que já tenham muita viabilidade profissional, já que acrescentar potencial de flexibilidade tende a fazer com que eles sejam priorizados demais na fase de escolha/banimento. Por fim, queremos ter certeza de que escolhemos Campeões que mantenham suas fraquezas e contrajogadas, mesmo ao sair da selva.

Por que, então, não trazer de volta os Campeões que já foram enfraquecidos como caçadores?

Se um Campeão tiver sido enfraquecido e não servir mais como caçador, deve ter sido por um bom motivo. Talvez fosse dominante demais no profissional (Sylas) ou tivesse um padrão problemático na selva (Camille). E, a menos que as coisas tenham mudado drasticamente (por exemplo, atualizações nos kits/itens/runas que tinham problemas), é bem improvável voltar com essas escolhas.

Mas e os caçadores principais que estão com dificuldades?

Para evitar o excesso de poder em cada atualização, tentamos manter os fortalecimentos e enfraquecimentos do jogo relativamente equilibrados. Isso significa que, mesmo que não estivéssemos dando aos Campeões de rota a possibilidade de atuar como caçadores, ainda assim não poderíamos simplesmente fortalecer um monte de caçadores principais. Na verdade, as mudanças de acessibilidade à selva não contam tão diretamente nos cálculos de fortalecimento/enfraquecimento para a selva de modo geral, já que os Campeões não estão jogando lá. Portanto, pôr mais Campeões na função não lhes dá necessariamente mais força ou fraqueza com relação às rotas.

Dito isso, nos casos em que precisamos escolher entre fortalecer caçadores principais que estejam excepcionalmente fracos e viabilizar a selva para Campeões de rota – calculando o tempo de desenvolvimento disponível na equipe, por exemplo –, ainda vamos priorizar o fortalecimento dos Campeões com a função de caçadores como principal. (Não, 48% não é "excepcionalmente" fraco.)Para dar alguns exemplos recentes, no mês passado fortalecemos Zac, Rammus, Amumu e Kindred.

Mal podemos esperar para ver os resultados das nossas mudanças na atualização 11.8. Se derem certo, vamos procurar levar ainda mais Campeões à selva. Por enquanto, vêm aí mais mudanças sistêmicas na selva com a atualização 11.10, que tem por foco pavimentar o caminho da selva e continuar caçando.

Que vença o melhor caçador,

Jag



  • Copiado para a área de transferência