Guia de Sobrevivência: Regional GPL

Por: LeonButcher

A GPL recentemente tem sido palco para diversos dramas e reviravoltas. Nas últimas três temporadas, equipes favoritas têm ficado para trás, ultrapassadas por times Desafiantes e aspirantes. Jogadores são desclassificados na metade da temporada (ou, no caso da Neolution Full Louis, à beira da glória), e a região no geral clama por melhorar suas performances em competições internacionais. Neste momento próximo ao Mundial 2014, a região que já formou uma equipe campeã mundial tem dificuldades em achar uma coisa que a faça única, algo que lhe dê voz novamente.

Visão Geral

Assim como nas temporadas passadas, o Sudeste Asiático possui dois representantes para este Mundial, e o vencedor da temporada de verão deles já assegura uma delas. Este representante foi determinado no dia 16 de Agosto, quando a Taipei Assassins derrotou a AHQ eSports.

Ainda assim, a AHQ está garantida como primeiro lugar na “The Gauntlet” devido à soma das suas pontuações na tabela geral do Sudeste Asiático. Lembrando que o The Gauntlet é a maneira com que o segundo time será definido, aonde o terceiro e quarto lugares  da tabela de pontos do circuito irão jogar uma melhor-de-cinco. O vencedor enfrenta o segundo lugar em outra melhor-de-cinco. Finalmente, o ganhador desta enfrentará o melhor time (que será o perdedor de TPA e ahq) em uma grande final melhor-de-cinco, que determinará quem fica com a segunda vaga do Sudeste Asiático para o Mundial.

Além da TPA e da AHQ, três times possuem pontos de circuito suficientes para se classificar para a Gauntlet. Saigon Jokers e a Saigon Fantastic Five estarão em segundo e terceiro colocados, respectivamente, devido a uma grande melhora durante a temporada. As classificatórias também serão palco para o retorno da Taipei Snipers na quarta posição.

 

A história de eSports no Sudeste Asiático tem sido dramática – uma mistura de ondas de sucesso com marés de azar e irrelevância no cenário internacional, ainda mais na sombra das outras regiões do continente, Coreia e China. Mas, enquanto a atenção do mundo está voltada para outros lugares, a região ainda possui competidores notáveis, mesmo agora.

A Garena Premier League (GPL), fundada e iniciada em Fevereiro de 2012, foi a primeira das ligas em circuito do League of Legends, até mesmo antes da OnGameNet Champions. O primeiro campeonato consistia de seis equipes batalhando durante 20 semanas em modo fase de grupos.

Ficou óbvio quase imediatamente que duas equipes estavam em outro nível das demais no circuito. A Taipei Assassins e a Singapore Sentinels foram indomáveis durante toda a Season 2, pelo menos em solo nativo. E não foi surpresa alguma as duas equipes serem as grandes finalistas do torneio.

Também não foi surpresa quando a Taipei Assassins ergueu o primeiro troféu na região após a vitória de 3-1 sobre a Sentinels. Mesmo com a diferença abissal entre estas duas equipes e as outras do campeonato, a diferença entre Taipei Assassins e Sentinals era tão grande quanto. Em 2012, a TPA somente perdeu duas partidas – uma, cedo, contra a Manila Eagles, e a única partida que perderam na grande final.

Controversa, o circuito de vez em quando mostra algumas diferenças radicais entre si mesma e outra ligas profissionais. É difícil, mas tento explicar: as partidas eram feitas todas online, e a colocação na GPL era feita por quotas regionais, aonde um representante era garantido para cada uma das regiões operadas pela Garena: Taiwan, Cingapura, Malásia (que depois se juntaria ao bloco de Cingapura), Vietnã, Filipinas e Tailândia. Enquanto a LCS EU, fundada no ano seguinte, também englobava diversos países, a GPL é a única que as colocações são distribuídas a nível nacional, em vez de uma eliminatória para a região inteira.

Isso apenas foi reforçado na maneira como funcionaram as classificatórias para o Mundial em 2012 e 2013, aonde Taiwan teve uma regional para si própria, enquanto o resto do Sudeste Asiático (SEA) decidiu a vaga restante. Sem surpresas, a Taipei Assassins conquistou a vaga de Taiwan. Mas na outra classificatória as coisas esquentaram: a Singapore Sentinels não seria a representante. No último minuto das classificatórias, a Singapore Sentinels foi deixada de fora por um time que eles haviam jogado para a repescagem. Os Saigon Jokers, mesmo com o recorde de quase 50% de vitórias na GPL, conseguiu se recuperar e subir de volta para as Finais, derrotando a Singapore Sentinels e garantindo a passagem para Los Angeles. Mesmo sendo eliminados na fase de grupos do Mundial, a presença deles lá fez com que fossem considerados uma grande potência na sua região.

A Taipei Assassins no entanto só começava a engrenar.

As performances da equipe em torneios internacionais era apenas razoável. Como muitos jogadores da equipe já tinham experiências sobre o cenário Norte Americano – Lilballz havia jogado pela CLG no começo da equipe – e algumas participações por convite eram aceitas, mas a latência e o fuso horário atrapalhava os jogadores, o que resultou em performances medianas. Isso em um ano que era marcado pelos diversos títulos conquistados pela Moscow Five, a quase-vitória da CLG.EU na OGN e a crescente dominância do estilo de jogo coreano. Com tudo isso acontecendo, a TPA era olhada de lado por todos.

Até que começou o Mundial da Season 2 em Outubro de 2012. A primeira vítima foi a NaJin Sword, equipe do Maknoon, estrela coreana. A vitória por 2-0 chamou atenção, mas não tanto – a NaJin era vista como o mais fraco dos representantes coreanos. Na sequência era óbvio para muitos que a Moscow Five não teria muitas dificuldades em batê-los, mas aí o mundo se espantou com a qualidade da TPA, em especial de um jogador: Toyz, controlando a Orianna.

E se alguém não se convenceu após a TPA eliminar um dos favoritos, com certeza essa pessoa pensou duas vezes após eles baterem a Azubu Frost na grande final por 3-1, vencendo a que era considerada melhor equipe e melhor região, e levantar a taça para se marcar na história do League of Legends.

Inclusive isso também marcou a última vez que alguma equipe da região foi relevante no cenário internacional.

Pode parecer dura a frase, mas após o Mundial os jogadores da TPA começaram a esbarrar em desacordos e discussões, resultando em uma performance fraca na IPL 5. Com isso, mesmo após a vitória fácil na temporada de Primavera da GPL, o capitão e suporte MiSTakE rumou para a equipe irmã, Taipei Snipers. Isto visivelmente afetou a performance dos campeões mundiais, e logo resultou na saída da grande estrela do time, Toyz, por motivos médicos; pouco depois o topo Stanley se retirou após uma série de performances ruins. Lilballz foi suspenso por violações no Código dos Invocadores e logo somente o Atirador Bebe sobrou da equipe que conquistou o lugar mais alto no competitivo.

Os Assassins falharam na Season 3. A expansão da GPL adicionou espaços para times Taiwaneses e Vietnamitas, e logo equipes como a AHQ eSports Club foram surgindo, aumentando a competitividade da região. A Taipei Snipers mantinha boas performances enquanto a Taipei Assassins continuava ruindo.

De fato, a competitividade cresceu a um ponto tão grande que equipes como a AHQ e a Taipei Snipers não conseguiram acompanhar, e foi uma surpresa quando o representante da região no Mundial da Season 3 foi a Gamania Bears.

Enquanto isso, o resto da região operava em circuitos locais. A Singapore Sentinels novamente era a equipe que mais chamava a atenção de todos, mas, como em um deja vu, perderam a vaga no último confronto, e assim vimos a Mineski se juntar à Gama Bears no Mundial, aonde nenhum dos dois passou da primeira fase que disputou.

De lá para cá a GPL se expandiu novamente, chegando muito próximo à estrutura de torneio que a LCS possui, e abrindo a oportunidade para termos, pela primeira vez, dois representantes vindos de Taiwan. Mudanças estruturais também foram feitas, técnicos coreanos consagrados foram importados para equipes como Saigon Jokers e Saigon Fantastic Five, na esperança de aumentar o nível e a competitividade do cenário local, e têm dado muito certo pelas performances que eles apresentam.

Mas a maior melhoria vem de uma equipe que muitos já imaginavam morta. Mesmo tendo em Bebe o único representante da equipe original, a Taipei Assassins é novamente a equipe dominante da região – um prêmio para fãs mais nostálgicos do competitivo do League of Legends. Eles tem conquistado títulos em sequência e saíram da fase de grupos da temporada de primavera sem sequer uma derrota.

Estilo de Jogo

  • A multinacionalidade da GPL não colabora para a criação de uma identidade de jogo. Mas vamos tomar a dominância de Taiwan na região como base, bem como a crescente influência coreana por meio de treinadores e analistas.

  • Caminhos para a Vitória

    Existem dois estilos de jogo extremos entre os melhores times da GPL. Podemos identificar eles através dos campeões da região. A Taipei Assassins, especialmente o elenco atual deles, prefere o estilo de jogo de “sufocamento” – Acumular pequenas vantagens em objetivos e ir cercando o adversário, retirando as opções dele de voltar para a partida uma por uma. Cercos com ataques à longa distância e investida dividida (split push) marcam seu estilo de jogo. Embora o número de abates não varie muito, é interessante notar que ao final da partida a TPA levou praticamente todas as torres e inibidores, realmente cercando o adversário. Os narradores em inglês da GPL tem o costume de chamar este estilo de “buffet”, aonde a equipe se serve do que consegue em uma rota e parte para outra.

    Em contraste, a campeã da terceira temporada da GPL, AHQ, ignora os objetivos e parte diretamente para a ofensividade e eliminações. E mesmo com um estilo de jogo destes é comum ver as partidas da AHQ demorando mais de 40 minutos para acabar. Isto porque a falta de foco nos objetivos permite aos adversários empurrar com a barriga o jogo, segurando o máximo possível até que a AHQ, favorecida por todos os abates na partida, consiga finalmente fechar o jogo.

  • Inovação

    A região é conhecida por inovar bastante nas escolhas de campeões, variando suas estratégias e confundindo os adversários. As equipes vietnamitas, por exemplo, foram as primeiras a utilizar Gragas na rota topo em 2014, priorizando um papel de tanque para o campeão. Jayce também é uma escolha frequente tanto no meio quanto no topo, principalmente nas equipes adeptas do estilo de jogo com dano à distância como a Taipei Assassins, encaixando ele junto com um Xerath ou Ziggs.

    Entretanto, saindo deste assunto de inovação, a parte tática é fraca. Enquanto o resto do mundo se acostumou a enfrentar rotas 2x1, o Sudeste Asiático permanece com rotas normais, como definidas na Segunda Temporada – a era de ouro do SEA. Enquanto as maiores equipes treinam algumas estratégias diferentes, a frequência com que eles as utilizam de fato é bem baixa.

Teams

  • Taipei Assassins – 1º colocado

    Os Assassins estão de volta – mesmo não sendo os mesmos Assassins. Bebe é o capitão da equipe e lidera a nova equipe ainda fortalecida por seu passado e agora presente dominante. De fato, nos últimos seis meses o time perdeu somente uma vez contra equipes não-taiwanesas – uma derrota para a Saigon Jokers no último jogo da temporada de verão, após a sua vaga já estar garantida. Enquanto o recorde deles contra os conterrâneos não é tão sólido assim, eles mantiveram a ponta mesmo com toda a pressão.

    Ajuda o fato de que a equipe faz de tudo para vencer – mesmo, infelizmente, quando isso acarreta no detrimento de jogadores e até da equipe irmã. A transferência de Winds da Taipei Snipers para os Assassins foi um fator que contribuiu em muito o declínio da TPS, ao mesmo tempo que fez com que o ex-caçador DinTer abandonasse o cenário competitivo. Similarmente, apesar da excelente performance de Morning contra a Gambit Gaming na IEM Katowice, ele foi colocado de lado em favor do ex-Atirador da Singapore Sentinels, Chawy.

    Ainda assim, a maior força da equipe vem de sua estrutura. O antigo treinador, Fluidwinds, foi dispensado para a contratação de Sim, treinador com experiência vasta na OGN, e expertise suficiente para dar uma nova cara à equipe.

  • AHQ e-Sports Club – 2º colocado

    A AHQ não tem tido vida fácil em tentar escapar das presas da Taipei Assassins, mesmo com sua dominância no cenário local e patrocínio de uma das mais notáveis organizações de eSports da região. Antes da Season 3 eles eram constantemente barrados pela TPA em se classificar para torneios internacionais. Mas eles souberam se aproveitar da maré de azar da TPA em 2013 para exibir grandes performances e conquistar o troféu da GPL.

    Mas o karma persegue a equipe, que novamente se vê rodeada pela sombra da TPA. Mesmo permanecendo dominante na fase de grupos, os Assassins e os Snipers parecem quase que conspirar para manter a AHQ coberta pela fumaça, e assim não permitiram que a equipe fosse campeã em 2014. No papel, poucas rotas inferiores são tão consistentes quanto GreenTea e GarnetDevil, e poucos Meios são tão agressivos quanto Westdoor. Mas seus eternos rivais tem uma habilidade especial em prever tudo o que eles fazem, dificultando bastante a vida da equipe.

  • Taipei Snipers – 3º colocado

    Tem sido uma longa e cansativa temporada de Verão para os Snipers. A aposentadoria de seu capitão após a derrota por 2-3 para a Assassins, e a saída de Winds antes do começo da temporada, os deixaram um pouco sem rumo e sem perspectivas internacionais. Mas a esperança é a última que morre, e a consistência na dominância da temporada de Inverno e Primavera fez com que eles permanecessem no Top 5 do circuito da GPL. E seria no mínimo um erro terrível para os adversários esquecerem como eles eram poderosos nas temporadas passadas.

    Que fique claro: nenhum dos jogadores da Snipers é considerado fraco ou comparativamente fraco – nem mesmo o Caçador novato, Mountain, provado pela sua extrema agressividade que destruiu a Yoe Flash Wolves. O que originalmente os fazia fracos era simplesmente a falta de um guia, pelo fato dos dois líderes da equipe saírem em um período curto de tempo. Mas nos meses seguintes desde então, eles tiveram tempo suficiente para consertar  esta falha, e agora miram o Mundial.

  • Saigon Fantastic Five – 4º colocado

    É de certa forma chocante que a Fantastic Five chegou até esse ponto. Mesmo tendo se classificado para a GPL em 2013, as performances deles na temporada passada foram menos que razoáveis – em certo ponto até a Bangkok Titans, eterna lanterna da competição, estava acima da SF5. Na verdade o único fato que chama a atenção da equipe a batante tempo é como eles são formados por um conjunto de ex-jogadores da Saigon Jokers que perderam espaço. Essa reputação ignóbil do time se extendeu para a temporada seguinte, aonde eles acabaram o Inverno com um recorde de 1-9, bem longe da zona de classificação.

    Mais do que qualquer outra equipe, a Fantastic Five é uma demonstração de como uma boa staff de técnicos pode ajudar uma equipe a dar a volta por cima. Não é que eles eram um asilo para ex-jogadores da Saigon Jokers – eles simplesmente não tinham a estrutura que a irmã possuia. Durante a transição do Inverno para a Primavera eles floresceram brilhantemente, e conseguiram um convincente segundo lugar no grupo B, o que os colocou na temporada seguinte.

    Eles agora estão em pé de igualdade, pelo menos com os Jokers, em termos de capacidade, avançando para as semifinais no Verão com uma vitória suada por 3-2 sobre a irmã e mesmo tirando um jogo da gigante Taipei Assassins até cair para o quarto lugar depois de perder para a Logitech G Fighters. Mas para uma equipe que era a última colocada no Sudeste Asiático, o crescimento deles é monumental – e ainda não diminuiu.

O que aconteceu até agora?

O primeiro representante do Sudeste Asiático já foi determinado dia 16 de Agosto com o fim da temporada de Verão da GPL, é a Taipei Assassins. A Gauntlet já foi iniciada também, e a Saigon Fantastic Five eliminou a irmã, Saigon Jokers, por 3-1. As partidas continuam no sábado, dia 23 de Agosto, com a SF5 enfrentando a Taipei Snipers. O vencedor deste enfrenta a AHQ em uma melhor de cinco para saber quem fica com o último assento do voo rumo ao Mundial 2014.


5 years ago


Conteúdo Relacionado