Na estrada com a INTZ: International Wildcard

Por: buenout

A INTZ mal teve tempo de comemorar o título do CBLoL em Florianópolis e já trocou as malas rumo a Istambul (Turquia), onde vai representar o Brasil no International Wildcard Invitational, de 21 a 25 de abril. Nós estamos acompanhado os passos do time brasileiro e vamos contar aqui, diariamente, os bastidores dessa jornada em busca do título.  

Visite também a Central do Wildcard.

PARTE 1: LEIS DE MURPHY

"Se alguma coisa pode dar errado, ela dará errado". Ou quase. O pós-título da INTZ foi tão emocionante quanto a primeira partida contra a Keyd. Em cada etapa da longa viagem até a Turquia, tudo o que poderia ter dado errado... quase deu: uma passagem de avião com o nome diferente, um embarque em cima da hora, uma espera por uma mala que parecia que nunca ia chegar (mas chegou, Revolta!).  

Era como se as forças malignas tivessem se alinhado para tentar tirar a INTZ da disputa à força. Mas o santo é mais forte, e o time chegou inteiro em Istambul. #saizica

No hotel, depois de cerca de 15 horas de viagem, a prioridade era satisfazer as necessidades básicas:

a) comer?
b) dormir?
c) invadir a sala de treino e jogar Lolzin? 

Mas é claro: partir pra sala de treino.

No subsolo do hotel, uma área transformada em salas de treino para os times do Wildcard. Hip-hop tocando, mesas com café, e o mais importante: salas de treino abertas o dia todo, dedicadas a cada um dos 7 times, com seus nomes grafitados na parede. Para o Brasil, restou um singelo BRA na parede (não deu tempo de fazer "INTZ" porque o resultado do CBLoL veio em cima da hora), mas o poro-Mordekaiser fofuxo pintado na porta nos impede de reclamar. Ali dentro, uma INTZ frenética, vivendo em ritmo de modo URF.

É um time unido e muito bem-humorado. Eles estão loucos para jogar, e nós estamos loucos para assistir. Eu, vocês e até o agente da Polícia Federal que parecia não acreditar no que via naquela madrugada de pouco movimento no aeroporto de Guarulhos: "São eles, mano. É a INTZ!". 

PARTE 2: É PAU, É PEDRA

Depois de encerrarem o primeiro dia tendo a sua primeira vez na "solo queue" do servidor Europeu, os jogadores da INTZ acordaram cedo para cumprir os compromissos com a mídia. Tirar fotos, gravar vídeos, dar entrevistas, tudo para garantir aquelas reportagens legais que você vê na transmissão, aqueles documentários comoventes que surgem alguns meses depois.

O problema é que hoje, meu amigo, tinha uma britadeira no meio do caminho. E junto com ela chuva, um clima mais chato que Yasuo feedado, e uma ou duas serras de mesa gritando mais alto que uma Rek’Sai ultada no URF (voltaaaa!).

Parte do time já tinha gravado quando o barulho em uma obra ao lado do restaurante se intensificou. Por mais profissionais e do futuro que fossem as câmeras e microfones, não tinha como um Jockster, em toda sua benevolência, competir com o barulho das serras e britadeiras estourando tímpanos a alguns metros de distância. A equipe de gravação turca prontamente se movimentou para trocar uma ideia com os parças da obra, num diálogo (em turco) que não durou mais de cinco minutos. Tudo certo, tudo pronto, volta pra cá... para logo em seguida os parças decidirem que era melhor ligar mais umas três ou 37 serras e britadeiras em nome da diplomacia. Desistimos da call. Foi como deixar de contestar o Barão para descer o rio e fazer o Aronguejo: voltamos para o hotel, descobrindo, talvez um pouco tarde demais, que quase tudo que havia sido gravado não estava bom, e precisaria ser refeito. 2 a 0 pro Aronguejo.

Lá se iam 5 ou 6 horas de dedicação do time brasileiro falando em inglês, dando respostas difíceis e até fazendo um rolê numa pista de skate (sem skate) no contagiante e constante clima de 9 graus de Istambul. Os moletons da INTZ e seus gorros nunca foram tão imprescindíveis para salvar as vida dos nossos jovens atletas. O problema foi que os intrépidos BR já estavam sem mana quando a fome bateu, e o jetlag venceu.

No meio da tarde, fomos para o estúdio da Riot, e o resultado você pode conferir nas palavras do Butcher.

Apesar de tudo, a INTZ sobreviveu aos australianos, achou um sofá amigo para descansar, e venceu os japoneses depois de mais ou menos 3 horas e tanto de atraso na agenda geral. Voltamos para o hotel por volta das 3 da manhã de quarta-feira, e seguimos firme no bonde desse time que ainda não se decidiu se canta MC Brinquedo ou Guns ‘n Roses na hora de extravasar.

PARTE 3: UM WILDCARD MUITO LOUCO

Depois de lavar a alma contra a DetonatioN no final da terça-feira e voltar base para uma noite de descanso digna, a INTZ renasceu das profundezas. Era como se você tivesse passado os cinco jogadores por uma renovação de Campeão: visual, mecânicas e lore. Tudo novo, skin lendária, #xablau!

Voltou a funcionar a 12ª Lei de Newton ("Revolta pegará o First Blood de Lee Sin aos dois minutos de jogo"), voltaram a aparecer as boas rotações, controle de objetivos. Voltaram a ser os cinco caras que deram show no CBLoL.

Indo para o estúdio da Riot, assistiram a um vídeo (ainda inédito) da conquista em Floripa. Riram, fizeram piada, comemoram mais um pouco o título que os trouxe até aqui. E o resultado não poderia ser outro.

A INTZ respeitosamente demoliu o Nexus dos donos da casa Besiktas (TUR) e provou para o Bangkok Titans (SEA), em menos de 30 minutos, a teoria do "Não Existe Mais Time Invicto Neste Wildcard Maluco". Revolta foi para os Trending Topics do Twitter e passou a liderar o A/M/A do torneio (11,6, o dobro do segundo lugar). Tockers dedicou a vitória a uma pessoa muito especial: sua cama.

Mas o tempo passou, as outras partidas foram embolando a tabela, e quando já passava da meia-noite, os fatores "extra-campo" pesaram (agenda ruim, ping alto...). A INTZ perdeu para a Hard Random (CEI) numa partida estranha, e terminou o dia precisando brincar de matemática.

Quantas vitórias faltavam para a classificação? Talvez nenhuma, talvez uma, talvez 100% delas. O que fazer até a última partida na fase de grupos? Treinar até altas madrugadas? Dormir mais cedo e acordar mais cedo? Mas como, se você não estiver com sono? Peraí, já são 3 da manhã de novo?

PARTE 4: PARTIU MD5

No terceiro dia de competição no Wildcard, a INTZ atropelou a Kaos Latin Gamers, garantindo a passagem para as semifinais. Confira o papo abaixo com micaO e tockers, e cuidado para não tomar um Super Mega Míssil da Morte na hora de atravessar a rua.

Depois do jogo, a INTZ fez novas gravações e voltou ao hotel para treinar. Eles jogam nesta sexta-feira, às 11h, contra a Hard Random (Rússia) por uma vaga na final.

PARTE 5: NA CASA DO INIMIGO

As semifinais passaram voando. A INTZ chegou animada ao estúdio, depois de descansar e treinar tanto nas ranqueadas quanto contra times do servidor europeu. Conversei com Yang e Revolta, e eles sentiram o impacto que é praticar numa região teoricamente mais forte. Revolta diz que a diferença de qualidade entre "o primeiro e o último" na Europa é muito menor do que no Brasil, e isso ajuda muito no aprendizado da equipe.

No estúdio da Riot, a INTZ foi para a cabine "Team Turquality" (nome em homenagem a um dos times mais tradicionais do país), e não teve muitos problemas para passar pela Hard Random (CEI), reconhecido pelos brasileiros como um dos melhores times do campeonato.

Com o lugar na final garantido, a INTZ foi assistir à segunda semifinal (entre Besiktas e Bangkok Titans), enquanto nós fomos visitar a Volkswagen Arena para conhecer o local do evento. Foi hora de visitar o palco, jogar algumas partidas para testar ping, conexão e tudo mais antes de voltar para o hotel.

Reencontramos a INTZ na manhã deste sábado. Foi o último time a deixar o hotel, num ônibus que acabou levando apenas nós e o time brasileiro, já que os demais já tinham partido para o evento. Depois de 30 minutos de um trajeto silencioso, com o time mais concentrado do que em todo o torneio, chegamos ao palco da final.

A INTZ desembarcou com uma tímida bandeirinha turca nas mãos, e de repente começamos a ouvir gritos e aplausos de alguns torcedores na fila, que ainda era pequena. O time brasileiro acenou de volta, e foi para dentro da arena, onde 4.000 torcedores estarão gritando em breve.

O palco está montado, o show vai começar. Se eu não voltar ainda hoje, é porque fomos engolidos pela massa fanática do Besiktas.

PARTE 6: NÃO DEU

Então voltamos, quase soterrados pela gritaria apaixonada da torcida do Besiktas. Não deu pra entender o que eles cantavam, não deu pra entender a narração dos turcos, e deu pra entender muito menos o que aconteceu com a INTZ nos jogos da final.

Erros estratégicos, de execução, desequilíbrio emocional? Torcida turca sinalizando "baits" e Barões? Pode ter sido um pouco de tudo, mas aqui não é o lugar para as análises.

Depois de cada jogo, a INTZ ia para o camarim, onde discutia o jogo anterior, os próximos picks, o que mudar no próximo. O time estava confiante, os poucos brasileiros lá também estavam. Até Kira, o mid da Hard Random, e seu manager Alexey, achavam que o time brasileiro não teria tantos problemas. "A INTZ vai ganhar esta, mas no próximo campeonato nós vamos ganhar deles!", provocou Alexey, bem humorado, antes do jogo, quando eles estavam dando um rolê pelo evento e tirando fotos com os fãs.

Depois da final, um clima de decepção óbvio dos jogadores brasileiros. Onde erramos? Como erramos? O que aconteceu? Perder é a pior sensação do mundo, e fazia tempo que a INTZ não perdia uma série.

A admiração dos outros times pelo Revolta ficou clara, com os jogadores do Chiefs tietando, espantados também com o número de seguidores do caçador da INTZ no Twitter: "cara, me passa algus seguidores, olha isso!". Mais tarde, quando saímos para comer, os jogadores da KLG também cercaram Revolta, e ele pacientemente ouviu e conversou, "shareando" conhecimento e discutindo bastante coisa do jogo. Jockster ficou descansando, e conversamos bastante com Tockers, Yang e MicaO, ainda abalados mas felizes com os torcedores que continuavam mandando mensagens de apoio.

Agora é voltar para o Brasil e pensar no CBLoL 2ª Etapa, caminho que pode levar um brasileiro ao Campeonato Mundial de 2015. Sendo ou não a INTZ, acho que teremos todos aprendido bastante com esse Wildcard.

===== CONTINUA NO CBLOL... =====


4 years ago


Conteúdo Relacionado