/dev: Sobre o propósito do pré-jogo

Por: Fearless

Oi, galera!

Eu sou o Fearless e vim falar sobre as escolhas pré-jogo em League of Legends. Este é um assunto denso e meu objetivo hoje é construir uma base de entendimento em torno da nossa teoria de design, visando fomentar uma discussão mais longa. Portanto, vamos logo começar.

Atualmente, League of Leragends dispõe de várias escolhas que você precisa fazer antes de entrar em uma partida. Essas escolhas, como o Campeão escolhido para jogar, quais runas usar, ou qual Talento Essencial selecionar, criam um espaço importante para o pensamento estratégico. Elas permitem que você defina como vai abordar o jogo, como vai colaborar com sua equipe e como deseja reagir a seus oponenentes. Oferecemos poder de escolha suficiente para que você expresse abordagens diferentes de forma significativa, e ao mesmo tempo restringimos o poder oferecido para evitar que o resultado do jogo seja reduzido a uma otimização intelectual ou a uma proficiência em copiar as configurações de outros jogadores.

Para fazer isso, temos que criar várias restrições nos sistemas pré-jogo. Mantemos o poder do pré-jogo altamente independente e intransferível. Simplificando: nós mantemos as escolhas pré-jogo voltadas para o início do jogo, e elas tendem a competir apenas com outras escolhas pré-jogo. Isso mantém as decisões do pré-jogo limitadas a um conjunto de escolhas com custos de oportunidade claros. Isso permite que elas capturem um pouco da profundidade vista em outros sistemas sem forçar você a planejar antecipadamente todas as decisões feitas ao longo da partida que vai começar.

No entanto, há também outras restrições. Os sistemas pré-jogo funcionam em um curto intervalo no qual você precisa fazer várias coisas: escolher um Campeão, escolher uma skin e, idealmente, planejar um pouco a estratégia com sua equipe. O pré-jogo ideal deveria oferecer um número menor de escolhas mais poderosas para que você priorize interações específicas e emocionantes e ao mesmo tempo evite uma rede paralisadora de otimizações condicionais. As escolhas não terão importância se os bônus forem pequenos ou se houver respostas "corretas" para muitas das escolhas, e isso infelizmente descreve a situação específica das runas atualmente.

Com tudo isso em mente, vamos reavaliar o pré-jogo atual de League (focando em runas e talentos), e discutir o que achamos que está bom, o que poderia se melhorado, e quais são as possibilidades para o futuro.


Sobre Feitiços de Invocador

Os feitiços de Invocador não serão um tópico deste artigo, e queremos explicar porque. Semelhante às runas, os Feitiços de Invocador oferecem atualmente os piores tipos de escolha na Seleção de Campeões para algumas posições. Um Caçador da selva que não escolheu Golpear simplesmente fez uma coisa errada. O poder do Flash é alto o suficiente para que praticamente todos os Campeões o considerem parte do kit.

No entanto, ao contrário das runas, os Feitiços de Invocador costumam proporcionar oportunidades para a expressão de habilidades e para a tomada de decisões dentro do contexto da partida. Nove de Armadura é apenas nove de Armadura, mas como e quando eu uso meu Flash, ou como eu planejo meu percurso e pressiono objetivos com meu Golpear é uma chance de elevar seu talento. Com certeza, há muito a ser melhorado (e com certeza vai melhorar) nos Feitiços de Invocador, mas outras partes do pré-jogo precisam atualmente de mais reparos.

O ritmo do pré-jogo

Achamos que o pré-jogo deveria ter uma janela de influência mais evidente; em outras palavras, as escolhas feitas aqui devem enriquecer o combate tática e estrategicamente, enquanto as habilidades do Campeão ainda estão sendo ativadas. Em seguida, esse poder precisa se dissipar assim como outras fontes de poder de entrada, permitindo que você se concentre na evolução específica do Campeão e no impacto das escolhas dos seus itens, das habilidades, e da execução mecânica.

RESUMO: O pré-jogo deve ser atraente e significativo, mas não deve se sobrepor às peculiaridades de cada Campeão, à relevância dos itens reativos, nem às habilidades mecânicas.


Escolhas que importam

As decisões do pré-jogo devem oferecer opções significativas para cada Campeão. No momento, muitos Campeões não têm escolhas satisfatórias e alguns se sentem completamente ignorados. As limitações de ter que escolher entre apenas três árvores e ter que distribuir poder acima de 30 pontos apresentam alguns motivos óbvios da estagnação dos Talentos. Porém, nós temos a oportunidade de romper essas limitações e fazer algo melhor e mais interessante.

Por exemplo: apesar dos problemas com os Talentos Essenciais, que não fornecem suporte a todos igualmente, eles têm algum potencial. Quando o Ímpeto do Incursor deixa que um Nasus ou uma Kha’Zix escolha colar no alvo em vez de dano puro, fica óbvio que os sistemas do pré-jogo permitem abordar League de formas bastante diferentes. Este potencial desmorona quando alguns Talentos Essenciais se tornam obrigatórios (como Toque Ígneo para Malzahar, por exemplo); Já que há uma escolha "certa" e uma "errada", você não tem uma forma genuína de impactar seu jogo por meio da decisão feita no pré-jogo.

No futuro, os sistemas de pré-jogo deverão ser desenvolvidos com a expectativa de que cada jogador faça várias escolhas significativas; escolhas que impactarão seu jogo nitidamente. Eles devem oferecer uma abertura considerável para que você demonstre sua habilidade estratégica, que depois se revelará uma forma de demonstrar suas escolhas de execução da mecânica de jogo criada a partir daquelas escolhas.

O objetivo é uma compensação rápida e evidente por examinar suas ações, refletir sobre suas decisões, fazer mudanças e depois começar tudo de novo.


O problema com as runas

No momento, as runas não estão contribuindo com esse tipo de objetivo. Frequentemente, as runas exigem talentos muito limitados, com impactos de pouca visibilidade, causando a insatisfação da maioria dos jogadores. Elas oferecem pouca expressão de habilidade. É difícil superar 9 de Armadura ou 4,5% de velocidade de movimento, por exemplo, e é difícil examinar o que essas escolhas fazem por você a cada momento ou ao longo de cem partidas. Para a surpresa de muitos, elas também representam um enorme quantidade de poder no início da partida. Porém, não queremos dizer que as runas não têm elementos positivos, mas achamos que ainda há muito espaço para melhorias.

As runas exibem um contraste gritante com os Talentos Essenciais, um sistema que frequentemente se beneficia de poderes isolados e de efeitos mais visíveis. Isso permite um maior entendimento das escolhas feitas, mas também direciona o jogo para interações situacionais mais diversas taticamente. Adoraríamos ver o pré-jogo inteiro indo nessa direção.

RESUMO: Nós queremos criar um ecossistema para o pré-jogo que possa estar à altura dos melhores elementos do resto de LoL.


Vislumbrando o futuro

A maior parte disso trata-se apenas de uma exploração filosófica do que almejamos para o pré-jogo e em que aspectos estamos deixando a desejar. O que vem pela frente? Estamos analisando minunciosamente as runas e os talentos, com a intenção de elaborar novos sistemas que possibilitem decisões que pareçam realmente importar; E que além disso, pareçam decisões verdadeiras.

Enquanto isso, gostaríamos muito de saber o que vocês pensam. O que vocês gostariam de ver nos novos sistemas do pré-jogo? O que você acha da situação atual das runas e talentos? A reformulação do pré-jogo é um projeto grande que vai demorar muito tempo, mas queremos fazer a coisa certa.

Estaremos de olho nos comentários caso vocês tenham perguntas ou sugestões!


2 years ago


Conteúdo Relacionado