ORIGEM: Ahri

Por: bananaband1t

De samurai do vento a yordles intratáveis, cada um dos 138 Campeões do League teve que começar em algum lugar. Esta é a história da Ahri.

Não confia em mim?

Todos os Campeões do League têm um DNA único, e não estamos falando de biologia. Em termos de design de Campeão, DNA se refere ao seu design (mecânica de jogo), narrativa (temática e história) e arte (...arte). Esses são os três elementos fundamentais de cada Campeão e os designers se juntam para garantir que eles se encaixem e complementem um ao outro. Mas nem sempre foi assim. Há alguns anos, não era incomum um desses três pilares tomar o controle de tudo e fazer com que os demais fossem modelados ao seu redor. A Ahri foi um desses Campeões que foram fundamentados apenas pela temática.

O objetivo dela era simples: trazer a história da raposa de nove caudas para dentro do League.


De “Diário de Campo Vastaya”

Mitos sobre essa criatura astuta existem por toda a Ásia, e apesar de haver algumas variações entre os países, a essência do conto é sempre a mesma. As histórias falam de uma raposa mágica que muda sua aparência como quiser, o que costuma significar que ela se transforma em uma linda mulher que usa sua beleza e charme para atrair homens à sua morte. Após matar os pobres infelizes, a raposa de nove caudas absorve sua essência de vida ou devora seus fígados, corações ou carne dependendo da versão.

Descobrir como criar a personagem Ahri com base nesses mitos foi difícil. Primeiro, os desenvolvedores não queriam simplesmente copiar e colar a história no League. Ahri ainda precisava parecer única, mesmo que fosse baseada em mitos do mundo real. Além do mais, havia também o risco de chatear alguém que achasse que a versão de seu país não estava sendo representada direito em Ahri. “No começo, pensamos em misturar essas histórias em uma única história coesa”, disse o designer sênior Colt “Ezreal” Hallam, “mas achamos que isso seria uma falta de respeito com as versões individuais de cada cultura”.

Como Ahri foi programada para ser lançada mais ou menos ao mesmo tempo que os servidores coreanos, os desenvolvedores se focaram em “gumiho”, a versão coreana da raposa de nove caudas. Quando gumiho se transforma, ela mantém algumas de suas características de raposa, como as orelhas e as nove caudas. Após matar sua presa humana, gumiho ou devora sua carne ou absorve sua essência de vida, dependendo da história. Gumiho costuma ser vista como uma criatura maligna (como os vampiros das antigas que não brilhavam), então o desafio com Ahri era criar uma personagem um pouco mais simpática. “Você quer se sentir como o protagonista quando joga, mesmo que suas ações sejam malignas”, disse o escritor narrativo, Alex “Skribbles” Yee. “Tínhamos que descobrir por que Ahri desejava matar para que fosse mais fácil se simpatizar com ela.”

A história de Ahri fala de uma raposa esperta que desejava se tornar humana. Uma certa tarde, a raposa se deparou com o resultado de uma batalha entre humanos e foi atraída por um homem em seus últimos suspiros. Quando a sua essência de vida se esvaiu de seu corpo, Ahri a absorveu instintivamente e foi transformada parcialmente em humana. Ela era ridiculamente bonita e sabia o poder que isso tinha. Com seu encanto, ela seduziu diversos homens à morte, consumindo cada vez mais essência de vida para tentar se tornar completamente humana. Mas com sua humanidade crescente veio também um senso de moralidade e ela logo descobriu que era incapaz de matar sem remorso.

Essa história deu a Ahri uma motivação para matar que não era apenas sangue frio. Ela era movida pelo seu desejo de ser humana, mas ainda refletindo as lendas de gumiho na qual foi baseada.

Bônus: Ahri recebeu seu nome da comunidade coreana através de uma enquete no site do League of Legends. Ela quase se chamou Nabi, Danbi, Ruri, Dasom ou Chorong, mas Ari venceu. “Ari” significa “graciosa e elegante” em coreano, então o “h” foi adicionado para parecer mais único.

Encantamento Fatal

Desde o começo, as habilidades de Ahri já incluíam um orbe, um encanto, fogo de raposa e uma espécie de avanço. Isso não é muito comum no desenvolvimento normal dos Campeões, mas como a maioria das habilidades de Ahri foram baseadas na sua temática, nada foi alterado drasticamente. A maior parte das alterações foi sutil e voltada para tornar seu kit o mais satisfatório possível.

Eis uma lista das habilidades de Ahri que não conseguimos listar em um subtítulo legal:


Da animação “Um Novo Amanhecer”

Charme: Desde o começo, ela tinha um encanto de alvo único. “Foi a conexão mais clara e mais direta ao seu tema”, diz Ezreal. “Ela precisava fazer as pessoas se apaixonarem por ela.”

O que mudou: a velocidade na qual os Campeões encantados andam na direção de Ahri precisava ser reduzida (e muito), porque ela simplesmente fazia os bobos apaixonados andarem direto até sua torre.

Fogo de Raposa: Em alguns mitos, a raposa de nove caudas podia criar fogo. Esse fogo de raposa era, na maior parte das vezes, uma representação dos espíritos coletados, como o fogo de raposa que orbita ao redor de Ahri.

O que mudou: O fogo de raposa antes era usado para iluminar arbustos pela sua duração, como uma sentinela, mas a parte técnica impediu. Mais adiante, Ahri teve nove chamas de fogo de raposa, mas poder disparar nove projéteis rapidamente fazia com que parecessem menos importantes. “Eu gostei da ideia de incluir o tema do número nove no kit o máximo possível”, disse Ezreal. “Então, em vez disso, criei a passiva de nove golpes e mudei o fogo de raposa para uma quantidade mais manejável: três.”

Ímpeto Espiritual: Ahri foi feita para ser uma assassina que anda no limiar da luta em busca de oportunidades para interferir, e um avanço a ajuda a entrar no combate para mandar aquelas jogadas arriscadas.

O que mudou: A versão original da ult de Ahri tinha alcance ilimitado. Ela teria que gastar Mana continuamente para viajar, mas se passasse por um Campeão inimigo, ela causava um absurdo de dano. Ela era basicamente uma ult do Ezreal. “Precisávamos mudar essa ult por causa da sua interação com o mapa Dominion, o que é certamente um dos meus maiores remorsos quanto à personagem”, disse Ezreal.

Mais adiante, ela teve um avanço de três partes (como a sua ult atual) que usava um sistema similar ao de Akali, mas ela quase sempre guardava um avanço como atalho para casos de “opa, eu vou morrer” e isso não era muito divertido.

Orbe da Ilusão: Todos os Campeões do League devem ter uma fonte de poder clara, que costuma ser o objeto ou técnica que usam quando lutam. Isso fica óbvio quando alguém tem um arco ou uma espada, mas é menos óbvio quando se é uma moça-raposa sem armas. “O orbe de Ahri era algo que os jogadores poderiam ver, compreender e adivinhar para que servia: é uma bola, então ela deve arremessar”, disse Ezreal. Além do mais, o orbe dava a ela um jeito de drenar a essência vital (no caso, a Vida) dos Campeões no jogo.

O que mudou: Antes, o orbe parava no fim do caminho e Ahri podia reativá-lo para trazê-lo de volta a si. Durante os testes, os jogadores reativavam o orbe imediatamente 90% das vezes, então isso acabou se tornando a própria habilidade. Seu orbe também costumava se deslocar em uma velocidade constante enquanto estivesse no ar, mas durante um teste posterior, o kit de Ahri parecia fraco demais. Para tratar disso, sua bola foi alterada para que se deslocasse para fora e para trás rapidamente, mas ficasse flutuando por um tempo na distância máxima, permitindo que ela a reposicionasse para causar o máximo de dano.

Vai e volta

Raposas de nove caudas dependem de sua beleza para seduzir suas vítimas, então não havia dúvida quanto a se Ahri precisava ser atraente. “Quando desenhei a Ahri”, disse o artista conceitual Paul “RiotZeronis” Kwon, “meu objetivo era que ela fosse a Campeã mais bonita, mística e elegante do jogo”.


Arte conceitual original de Ahri


Na época, RiotZeronis era um freelancer, o que significa que recebeu uma visão geral da personagem por e-mail e começou a desenhar a raposa de nove caudas. Foi um rascunho rápido porque ela estava passando rapidamente pelo desenvolvimento, mas só foi preciso um desenho para encontrar a direção da raposa de nove caudas do League. “De todos os Campeões nos quais trabalhei, este era mais o meu estilo”, diz RiotZeronis. “Ela seria a minha waifu.”

Quando o rascunho foi concluído e enviado por e-mail para o escritório, RiotZeronis não teve qualquer outra influência ou informação sobre o seu desenvolvimento. Na verdade, ele não sabia nem se essa era a direção artística escolhida até ver o anúncio de Ahri para os jogadores (...blá, blá, blá, coisa de empresa indie... Mas a Riot era bem diferente na época.)

Parece que teria sido algo direto desse momento em diante, mas Ahri passou por muitas mudanças artísticas logo antes do lançamento, como é possível ver na ilustração original exibida aos jogadores.

À esquerda, a ilustração original de Ahri. À direita, a versão final e modificada.

Dá para ver a diferença? Tipo o forro vermelho do seu vestido, os detalhes nas mangas, a parte onde ela QUASE NEM TEM ORELHAS?! E essas caudas nem eram reais. Elas eram parte da roupa.

<br

O que aconteceu?


Esboço das caudas de vestido de Ahri no jogo

Parte foi por causa de preocupações da parte técnica. Não estava claro se seria possível fazer as caudas de Ahri se conectarem ao seu vestido no jogo de um jeito que parecesse natural, então precisaram ser redesenhadas como parte do vestido. Mas os desenvolveores terminaram dando um jeito de acertar a questão técnica, então esse não foi o fator decisivo.

O principal motivo do design de Ahri sem as orelhas e caudas (reais) foi para tentar diferenciá-la dos mitos nos quais foi baseada. Havia uma série de preocupações em relações à Ahri como Campeã durante o desenvolvimento e alguns Rioters estavam preocupados que ela não se enquadrasse no universo do League ou que os jogadores não entendessem. Essa incerteza levou à perda da maior parte das suas características de raposa, o que a tornou mais uma garota “comum” do que uma raposa de nove caudas.

Mesmo com o feedback confuso, os desenvolvedores decidiram voltar ao seu desenho original. “É natural querer fazer algo único”, disse Ezreal, “mas descobrimos que estávamos fazendo isso pelo motivo errado. No fim, achamos que os jogadores fossem querer mais a versão verdadeira da raposa de nove caudas do que uma artificialmente única”. As caudas e orelhas características de Ahri voltaram e, desde então, ela tem rompido e sugado vidas no Rift.


2 years ago

Marcado com: 
Origins, Ahri

Conteúdo Relacionado